Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Redações anteriores UFPR
 Leitura de clássicos
 Cursos em EAD
 Produção textual
 Vestibulares anteriores UEM
 Provas UFSC
 Exemplos de relatos
 Revista Superinteressante


 
Blog de soniamariamc


 

Embora seja um tema polêmico e não siga a linha de temática da UEM, vale a pena ler!

 

Escola sem ideias?

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/claudia-costin/2016/10/1827034-escola-sem-ideias.shtml?FOLHA_KEY_1=703c1669ecd078cb54d2463ceb11404d&FOLHA_KEY_2=6a2a7e9d3c405d1a23a567ff82855a86



Escrito por soniamariamc às 12h53
[] [envie esta mensagem] [ ]




10º GÊNERO- INSTRUCIONAL (TEXTO MUITO BEM ESCRITO DA Maria Eduarda Facci - PARABÉNS)
Como escolher a profissão
O momento da escolha profissional vem afligindo os jovens cada vez mais cedo. Você já perdeu o somo por causa dessa decisão? Como orientador, venho trazer algumas dicas que poderão ajuda-los nesse processo.
Em um primeiro momento tente apagar os estereótipos que absorveu a respeito de determinadas profissões. Não existe trabalho pior ou melhor, todos são essenciais para o bom funcionamento da sociedade, portanto cuidado para não se deixar levar pelo status ou preconceitos sofridos por algumas. Assim, em segundo lugar, procure a opinião de profissionais atuantes ao invés de ouvir universitários. A descoberta de áreas da profissão que o desagradam pode desanimar um acadêmico e fazer com que ele te desanime, um profissional formado já superou as dificuldades e poderá satisfazer suas dúvidas sobre a profissão com mais neutralidade e maturidade. Por último preste atenção em seus hábitos. Como disse Freud, grandes coisas são reveladas em pequenos indícios, e observar seus gostos pode te ajudar a entender o que você realmente busca para seu futuro.

 

Com essas instruções espero que a escolha profissional se torne menos penosa. Sucesso!


Escrito por soniamariamc às 12h48
[] [envie esta mensagem] [ ]



 

9º GÊNERO - RELATO
Sou mãe de um garoto de 5 anos que possui transtorno de ansiedade. Só percebi tratar-se de um problema no ano passado quando ele foi para a escola.
No primeiro dia de aula, quando estávamos indo para a escola, ele foi todo animado e ficou ainda mais ao chegar lá e verificar, na entrada, a figura de vários personagens do desenho animado referido dele a porquinha “Peppa”. No momento em que ele entrou para a sala, nem percebeu que eu havia ido embora. No final da tarde quando voltei para buscá-lo, fiquei sabendo da crise que o acometera. No entanto não poderia imaginar que a partir daquele momento meu filho passaria a desencadear um transtorno de ansiedade. Nos dias que se seguiam o momento de ir para a escola era seguido de frases como “minha barriga tá doendo”, “tô com medo”. Nessas horas eu tentava resolver com um chazinho de camomila, que segundo a apresentadora Ana Maria Braga, era bom para situações de ansiedade. Embora meu filho tomasse com intenção de acalmar-se, de nada adiantava.
Depois de muitas tentativas frustradas para resolver o problema, resolvi procurar uma psicóloga que nos ajudou muito. Hoje, meu filho aceita melhor a ideia de ir à escola, mas ainda faz acompanhamento psicológico.


Escrito por soniamariamc às 22h48
[] [envie esta mensagem] [ ]




8º GÊNERO - RESPOSTA ARGUMENTATIVA
Como aluna participante de uma discussão em aula de Sociologia sobre “a prática da corrupção no Brasil”, afirmo que o problema da corrupção, no Brasil, está relacionado a educação que vem de casa sim, uma vez que é neste ambiente que nossas bases são construídas. Muitos acreditam que os políticos que hoje nos representam vieram de um lugar distante, de “outro planeta” e se esquecem que estes vieram do povo brasileiro e só adquiriram com o tempo o tal do “jeitinho brasileiro” tão presente em nossa cultura e este, claro, foi ensinado em casa. Acredito que a corrupção começa quando uma mãe pede ao seu filho que guarde o doce para não ter que dividir, começa quando esta mãe diz que permanecer com o troco errado não tem problema, a corrupção começa quando um filho atende o telefone e mente dizendo que o pai não está, a pedido deste. Assim, a honestidade vem da educação dos pais com os filhos, das primeiras conversas e lições de moral da vida de uma criança, mas alguns pais ao ensinarem independência aos filhos, acabam os educando para serem “espertinhos” em demasia. Como exemplo disso temos os inúmeros políticos do Brasil que desviam milhões e quando perguntam por seus pais, estes estão exercendo cargos públicos por nepotismo ou em uma cobertura em Copacabana apenas desfrutando e usufruindo do dinheiro roubado. Diante destas diretrizes, reafirmo meu posicionamento, concluindo que as crianças devem sim aprender a correr atrás de seus sonhos, mas de maneira honesta e justa, pois já diziam sociólogos do século XVII, “a sociedade molda o indivíduo e este é moldado pela sociedade”.


Escrito por soniamariamc às 22h59
[] [envie esta mensagem] [ ]




7º GÊNERO - RESUMO ( NOTA 60 NO PAS/2015)
No texto "Poluição Visual" o autor mostra como é gerada a poluição visual e os problemas trazidos pela mesma.
O autor explica que a grande quantidade de cartazes, lixo, anúncios e placas são considerados tipos de poluição visual, e que ações prejudiciais à estética e as condições sanitárias também estão relacionados a mesma, mostrando que este tipo de poluição traz alguns problemas como o cansaço visual, prejuízos à mobilidade urbana, além de danificar o meio ambiente e a arquitetura das cidades. O autor ainda cita a poluição visual eleitoral, que ocorre por conta das campanhas políticas no período que antecede as eleições. Ele argumenta que nesta época a quantidade de lixo gerado pelas campanhas é inaceitável e cita Rodrigo Messatti "o espaço público transforma-se no lixo privado", mostrando que as cidades ganham outra cara neste período.
Para finalizar o escritor diz que é preciso consciência para diminuir a poluição visual e que o poder público precisa impor regras, uma vez que que o mesmo não pode estar acima do zelo pelo o espaço social e argumenta que quando feita de forma moderada a publicidade não se torna problema algum para a sociedade.


Escrito por soniamariamc às 19h30
[] [envie esta mensagem] [ ]




6º GÊNERO - RESPOSTA INTERPRETATIVA (PAS 3ª ETAPA 2016)
O tema “Meritocracia” fica evidente na história em quadrinhos “On a plate – a short story about privilege” (“De bandeja: uma história sobre privilégio”), de Toby Morris, e no texto “Meritocracia”, de Camila Betoni. A partir deles é possível inferir que os obstáculos sociais e econômicos nas trajetórias das personagens Richard e Paula interferem na ascensão (social e econômica), o que leva a crer a que ação não depende exclusivamente de atitudes individuais, como esforço e empenho. Nesse viés, a história apresentada contraria a tese liberalista de que o desenvolvimento social da pessoa é resultante dos esforços do indivíduo por meio da qualificação e do trabalho. Conforme se observa na trajetória das personagens, enquanto Richard nasce em uma família com boas condições sociais, o mesmo não ocorre com Paula. As diferenças se alastram ao longo da vida dos dois. Por mais que Paula se esforce, outros fatores estão relacionados ao seu bom desempenho, isto envolve ambiente familiar, escolar e mais tarde o mercado de trabalho. Em oposição, Richard, cresceu em uma família de estrutura financeira estável e além do mais teve acesso a uma boa educação formal, assim, “provavelmente terá um desempenho escolar melhor que outros sujeitos que não tiveram as mesmas vantagens”, segundo atesta Camila Betoni. Portanto, de acordo com o contexto apresentado, evidencia-se que ascensão (social e econômica) não depende exclusivamente de ações individuais, como esforço e empenho.



Escrito por soniamariamc às 22h15
[] [envie esta mensagem] [ ]




5º GÊNERO – CARTA DO LEITOR (EXEMPLO ACIMA DE 55- VESTIBULAR DE INVERNO 2015)

Maringá, 18 de Julho de 2016

   Prezada editora Ana Holanda,

Sou leitor frequente da revista “Vida Simples” e, após a leitura do texto “Pelos seus olhos eu vejo”, lembrei de uma ocasião em que me coloquei no lugar do outro. No caso, um colega de sala o qual solicitou a minha ajuda.

Editora Holanda, tal acontecimento ocorreu quando meu colega de sala, sem boas condições econômicas, pediu para os alunos de nossa sala ajudá-lo á arrecadar fundos para que ele fizesse o vestibular da universidade dos seus sonhos. A princípio, ninguém o ajudou, todavia um sentimento de solidariedade me tomou e me senti em seu lugar. Lembrei-me, então, dos princípios de solidariedade orgânica de Durkheim que tivera nas aulas de sociologia e, juntos, realizamos uma campanha através de rifas para que meu amigo realizasse o seu sonho. Ou seja, a empatia me fez compreender os sentimentos dele e não tive como abandoná-lo.

 Atualmente, editora, eu e meu colega estudamos juntos para este vestibular, o qual ele conseguiu me convencer a fazer, e já planejamos seguir uma carreira em conjunto baseada na empatia. Por tanto, essa virtude mudou a minha vida e a de meu colega e sim, pode mudar o mundo.                                              

Atenciosamente,

                                                                                                Leitor.

 

(José Pedro Racanello)         



Escrito por soniamariamc às 23h07
[] [envie esta mensagem] [ ]



4º GÊNERO - CARTA DE SOLICITAÇÃO

Maringá, 21 de setembro de 2015

                Ao vereador da cidade, Sr. Eugênio da Câmara

                Prezado vereador, andando pelas ruas da cidade, podemos facilmente nos deparar com pilhas de lixo eletrônico abandonados em terrenos vazios. Deste modo, venho por meio desta, solicitar a proposição de um projeto de lei que crie programas de descarte e reciclagem deste lixo.

                Como engenheiro ambiental, tenho plena consciência de que estamos numa evolução tecnológica, gerando muito lixo eletrônico, e como e senhor sabe, esse lixo deve ir para algum lugar. O que acontece é que ele está sendo descartado na natureza, contaminando o solo e matando animais com suas substâncias tóxicas. Então por que não obedecer a Teoria da Evolução de Lamarck e começarmos a nos adaptar a essa evolução? Como? Criando leis que criminalizem o descarte incorreto do lixo e criando instituições que façam a reciclagem deste, como já existente em países desenvolvidos.

                Portanto sr. Vereador, solicito sua ação imediata para reaproveitar o lixo eletrônico, a fim de não nos depararmos com maiores problemas ambientais, afinal, segundo a lei de Conservação de Massas de Lavoisier: “nada se cria, nada se destrói, tudo se transforma”.

                Atenciosamente

                                                                                                                                                             Cidadão.

 

(Diogo Maruiti)



Escrito por soniamariamc às 21h07
[] [envie esta mensagem] [ ]




3º GÊNERO - CARTA DE RECLAMAÇÃO

Maringá, 09 de novembro de 2016

            Ao senhor Ministro da Educação, Mendonça filho

            Sou aluno do ensino médio e farei o ENEM, afim de atingir a pontuação necessária para cursar medicina, e minha prova foi adiada e com isso serei prejudicado, pois a data de aplicação da prova bateu com demais vestibulares que pretendo tentar. Eis o motivo de minha reclamação.

            Devido a alteração da data terei que optar em fazer o ENEM ou UFSC, sendo que os dois são de extrema importância. Além disso, foi apresentado no Jornal Nacional que é comprovado a ineficácia de se formular duas provas diferentes com o mesmo nível de dificuldade, sendo assim acredito que os resultados serão injustos. Até quando resultados no Brasil continuarão injustos? Por esses motivos supracitados é que exijo providências imediatas, pois assim como eu, mais 240 mil candidatos serão prejudicados.

            Aguardo providências,

 

                                                                                                    Aluno



Escrito por soniamariamc às 16h57
[] [envie esta mensagem] [ ]



2º Gênero- Carta aberta (artigo transformado em carta aberta, sei que excedeu o número de linhas, mas é para perceberem que bastam algumas alterações)
Carta aberta ao Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro
Prezado secretário Roberto Sá, a cena que ocorreu no Rio de Janeiro foi lastimável. Uma mulher inocente saiu para comprar pão e mortadela, foi baleada em meio a um tiroteio entre bandidos e policiais, depois foi jogada na caçamba do carro da polícia com violência, não bastasse isso foi arrastada por 250 metros. O senhor não acha que em um país onde ocorre crimes frequentemente, os militares deveriam garantir nossa segurança? Ao menos é isso que eu e milhões de brasileiros esperamos deles.
A atitude dos militares foi errada. Claudia Ferreira foi tratada como uma criminosa. O senhor não concorda que se fosse para salvar, ela teria sido colocada no banco traseiro do carro? portanto foi uma ação consciente. Esse tipo de atitude me faz lembrar a ditadura militar, período de grande repressão e censura, conhecido como ato institucional 5, época em que a polícia amedrontava mais que os ladrões. Há quem diga, senhor Roberto Sá, que a sociedade não questiona com a mesma revolta quando o bandido mata um policial, porém é preciso deixar claro que bandido mata e, assim como eu, os demais brasileiros acreditam que a função do policial é proteger a população e isso ele já sabia ao assumir a profissão.
Dessa forma, senhor secretário, reafirmo: a cena que ocorreu no Rio é inconcebível, a semelhança com o passado é cada vez maior e o medo só cresce. Reafirmo também que os policias devem nos proteger e não se tornar uma ameaça. Afinal como diz um trecho da música dos TITÃS " Dizem que ela existe para ajudar, polícia para quem precisa." Esperamos contar com seu bom senso para que sua secretaria cumpra a função de nos ajudar e atuar com quem precisa.
Atenciosamente,
Cidadão


Escrito por soniamariamc às 20h11
[] [envie esta mensagem] [ ]



Agora contagem para o vestibular de verão UEM.
1º Gênero- Artigo de opinião
De que lado eles estão?
A cena que ocorreu no Rio de Janeiro foi lastimável. Uma mulher inocente saiu para comprar pão e mortadela, foi baleada em meio a um tiroteio entre bandidos e policiais, depois foi jogada na caçamba do carro da polícia com violência, não bastasse isso foi arrastada por 250 metros. Em um país que ocorre crimes frequentemente, os militares não deveriam garantir nossa segurança?
A atitude dos militares foi errada. Claudia Ferreira foi tratada como uma criminosa. Se fosse para salvar, ela teria sido colocada no banco traseiro do carro, portanto foi uma ação consciente. Esse tipo de atitude me faz lembrar a ditadura militar, período de grande repressão e censura, conhecido como ato institucional 5, época em que a polícia amedrontava mais que os ladrões. Há quem diga que a sociedade não questiona com a mesma revolta quando o bandido mata um policial, porém é preciso deixar claro que bandido mata, e a função do policial é proteger a população e isso ele já sabia ao assumir a profissão.
Dessa forma, reafirmo: a cena que ocorreu no Rio é inconcebível, a semelhança com o passado é cada vez maior e o medo só cresce. Reafirmo também que os policias devem nos proteger e não se tornar uma ameaça. Afinal como diz um trecho da música dos TITÃS " Dizem que ela existe para ajudar, polícia para quem precisa."
Matheus Rejaili


Escrito por soniamariamc às 20h00
[] [envie esta mensagem] [ ]



ÚLTIMO GÊNERO - CARTA DE RECLAMAÇÃO

Maringá, 27 de novembro de 2016.

                Senhor Ministro Mendonça Filho,

                Sou estudante  e li a respeito da pesquisa realizada pelo IPEA  sobre as maiores prioridades dos jovens brasileiros. Comungo, Sr. Mendonça Filho, com os 85,2% que apontaram a educação como destaque entre as necessidades brasileiras. Aliás,  sinto-me no direito de reclamar da situação em que se encontra o sistema educacional.

                Sempre estudei em escola pública, e sinto na pele o que educadores afirmam, que a escola pública tem dois anos de defasagem em relação à instituição particular.  Estou em cursinho pré-vestibular no período da noite, enquanto meus colegas de turma revisam conceitos, eu passo madrugadas estudando para acompanhá-los. A realidade que vivencio, Sr. Ministro, se alastra há décadas. Até quando estaremos à mercê de políticos que não buscam o bem comum?

                Diante da realidade exposta, Sr. Mendonça Filho,  insisto em uma educação de qualidade, exijo uma mudança de postura concreta do governo. Se isso não ocorrer, usarei as redes sociais e levarei centenas de manifestantes frente ao Palácio do Alvorada. Sou acima de tudo um cidadão que confirma as palavras de Rousseau “Quanto mais do mundo vi, menos pude moldar-me à sua maneira”.

                Aguardo seu retorno.

 

                                                                                                            Leitor



Escrito por soniamariamc às 08h20
[] [envie esta mensagem] [ ]



 

GÊNERO 9 - CARTA DE SOLICITAÇÃO

Maringá, 27 de novembro de 2016.

                Prezado Sr. Silva

                Li a matéria a respeito das exigências do século XXI ao jovem e comungo plenamente com os conceitos apresentados. Por isso solicito maiores informações a respeito da temática.

                Tenho interesse especial no assunto, Sr. Silva, pois sou professor de Ciências e sempre transmito aos meus alunos a necessidade de solucionar problemas e ser sujeito da história. Uso sempre como exemplo um jovem americano, ganhador de um prêmio de feira de ciências, que com seu projeto descobriu uma maneira de fazer um diagnóstico precoce de três tipos de câncer.

                O fato mencionado não mereceu destaque na mídia, o senhor não acha que ele poderia fazer parte da próxima pauta do Jornal Mundo Jovem? Se meu pedido for atendido levarei o texto para meus alunos e trabalharei com eles. 

                Atenciosamente

 

Leitor



Escrito por soniamariamc às 19h01
[] [envie esta mensagem] [ ]




GÊNERO 8 - RESPOSTA INTERPRETATIVA

 

 

O educador Mário Sérgio Cortella esboça uma definição do jovem do século XXI. Para ele trata-se de uma juventude bem formada e conectada, no entanto que possui problemas relacionados à hierarquia e dificuldades em cumprir metas e prazos, além de abandonar projetos com facilidade. Mesmo diante do  quadro apresentado, Cortella ressalta como positivo a criatividade inerente  aos jovens atuais. Eles também foram avaliados por uma pesquisa do  IPEA que revelou a educação como prioridade para 85,2% deles, ficando à frente dos serviços de saúde; acesso a alimentos de qualidade; governo honesto e atuante; proteção contra o crime e a violência e melhores oportunidades de trabalho, respectivamente. É importante lembrar que não basta a educação de qualidade ser considerada relevante por parte dos jovens. É preciso que estes atendam algumas exigências que também os ajudarão garantir um futuro melhor, como o domínio da leitura e da escrita e a capacidade de fazer cálculos e resolver problemas. O primeiro é essencial não somente em questão de alfabetização, mas para adquirir um trabalho qualificado e bem remunerado. Já o segundo é necessário para tomar decisões e ter soluções não só para o jovem, mas também para seu  ambiente de convívio. 



Escrito por soniamariamc às 18h50
[] [envie esta mensagem] [ ]



Textos de apoio para os gêneros 8,9 e 10.

Texto 1

 

A nova geração não tem problema de formação. Ela é ligada à conectividade. Mas ela chega mal educada no mundo do trabalho, sem percepção de hierarquia. Ela está acostumada a ser quem subordina os adultos em casa, tanto que há pais e mães que vivem em função dos filhos. Ao mesmo tempo, esta geração não tem necessariamente compromisso com meta e prazo. Abandona coisas com muita facilidade. É muito comum ouvir falar hoje de jovem que começa uma faculdade e passa para outra. Ele descobre que não é o que quer, aí vai estudar mecânica, depois vai para a metalurgia, e passa para a alta gastronomia. Isso não é excesso de opção, isso é confusão mental. É ausência de clareza de onde se quer chegar. E esta mesma geração é absolutamente rica e exuberante naquilo que consegue, que é a criatividade.

(Mário Sergio Cortella - educador)

http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/noticia/2016/08/a-nova-geracao-e-mal-educada-diz-mario-sergio-cortella-sobre-jovens-que-chegam-ao-mundo-do-trabalho-7329510.html

 

 

Texto 2

                     “Pesquisa mostra prioridades de jovens brasileiros”

A pesquisa foi realizada em maio, com mais de 11.430 mil pessoas, pelo IPEA, em nove regiões metropolitanas, e listou as maiores prioridades dos jovens brasileiros. A pesquisa segue o modelo de perguntas que vem sendo utilizado na pesquisa Meu Mundo, da Organização das Nações Unidas, que visa traçar as metas do novo milênio a partir de 2015.

A grande aspiração dos jovens, segundo a pesquisa, é educação de qualidade: 85,2% dos brasileiros de 15 a 29 anos apontaram esta opção como a primeira das seis mais importantes de 16 alternativas elencadas. Melhoria nos serviços de saúde (82,7%), acesso a alimentos de qualidade (70,1%), governo honesto e atuante (63,5%), proteção contra o crime e a violência (49%) e melhores oportunidades de trabalho (46,9%) completaram as prioridades dos entrevistados.

(Folha de S.Paulo 2014)

 

 

 

 

Texto 3

Exigências do século XXI e o jovem

 Domínio da leitura e da escrita: Para se viver e trabalhar na sociedade altamente urbanizada e tecnificada do século 21, é necessário um domínio cada vez maior da leitura e da escrita. As crianças, adolescentes e jovens precisam saber comunicar-se usando palavras, números e imagens. Saber ler e escrever já não é um simples problema de alfabetização, é um autêntico problema de sobrevivência.

 Capacidade de fazer cálculos e de resolver problemas: Na vida diária e no trabalho, é fundamental saber calcular e resolver problemas. Calcular é fazer contas. Resolver problemas é tomar decisões fundamentadas, em todos os domínios da existência humana. Na vida social, é necessário dar solução positiva aos problemas e às crises. Uma solução é positiva quando produz o bem comum.

 Capacidade de analisar, sintetizar e interpretar dados, fatos e situações: Na sociedade atual, é fundamental a capacidade de descrever, analisar e comparar fatos e situações. Não é possível participar ativamente da vida da sociedade global, se não somos capazes de manejar símbolos, signos, dados, códigos e outras formas de expressão linguística, buscando causas e possíveis consequências, colocando o fato no curso dos acontecimentos, dentro da história.

 Capacidade de compreender e atuar em seu entorno social: Compreender o entorno social é saber explicar acontecimentos do ambiente onde estamos inseridos. Atuar como cidadão é ser capaz de buscar respostas, de solucionar problemas, de operar, alterar e modificar o entorno. Significa ser sujeito da história.

 Receber criticamente os meios de comunicação: Um receptor crítico dos meios de comunicação é alguém que não se deixa manipular como pessoa, como consumidor, como cidadão. Os meios de comunicação produzem e reproduzem novos saberes, éticas e estilos de vida. Ignorá-los é viver de costas para o espírito do nosso tempo.

 Capacidade para localizar, acessar e usar melhor a informação acumulada: Num futuro bem próximo, será impossível ingressar no mercado de trabalho sem saber localizar dados, pessoas, experiências e, principalmente, sem saber como usar essa informação para resolver problemas. Será necessário consultar rotineiramente – muitas vezes pela internet – bibliotecas, hemerotecas, videotecas, centros de informação e documentação, museus, publicações especializadas etc.

 Capacidade de planejar, trabalhar e decidir em grupo: Saber associar-se, trabalhar e produzir em equipe são capacidades estratégicas para a produtividade e fundamentais para a democracia. Essas capacidade se formam cotidianamente através de um modelo de ensino e aprendizagem autônomo e cooperativo, em que o professor é um orientador e um motivador para a aprendizagem.

 

http://www.mundojovem.com.br/grupo-jovens/o-jovem-e-as-exigencias-do-seculo-21



Escrito por soniamariamc às 18h44
[] [envie esta mensagem] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]